Sobre o autor


Thadeu de Sousa Brandão

Sociólogo, Mestre e Doutor em Ciências Sociais pela UFRN. Professor Adjunto de Sociologia da UFERSA e do Mestrado Acadêmico Interdisciplinar em "Cognição, Tecnologias e Instituições" (CCSAH/UFERSA) - (Nota 4 CAPES). Líder do grupo de Pesquisa "Observatório da Violência do RN". Autor de "Atrás das Grades: habitus e interação social no sistema prisional", "A Senhora do Sertão: a Festa de Sant'Ana de Caicó" e co-autor de "Rastros de Pólvora: Metadados 2015" e de "Observatório Potiguar 2016: Mapa da Violência do RN". Apresentador do Programa Observador Político da TV Mossoró e 93FM. Colunista do Jornal O Mossoroense.

Política, Sociologia, Ciência, Cultura e Filosofia. Blog criado em 22 de Outubro de 2012 e organizado por Thadeu de Sousa Brandão.

Siga nossa página no Facebook: https://www.facebook.com/profthadeubrandao/

Contato, críticas, sugestões e artigos: thadeubrandao@bol.com.br

segunda-feira, 8 de abril de 2013

Dahl: Desenvolvimento e Democracia


Assis Brandão, Professor de Ciência Política do Departamento de Ciências Sociais da UFPE.



 
I. Introdução

A relação entre igualdade e democracia é um tema clássico da teoria política focadopor autores os mais diversos, desde Aristóteles, passando por Montesquieu, Marx,Tocqueville, Dahl, dentre tantos. A relação entre desenvolvimento e democracia é umatemática mais moderna que tem em Lipset, no final dos anos 50 e início dos 60 do séculopassado, o seu mais destacado teórico. Os autores que pensaram a primeira dessas relaçõesnormalmente o fizeram tendo em vista salientar a natureza positiva do nexo entre igualdadee democracia.
É verdade que em Tocqueville esse nexo se apresenta de maneira sobre modo mais complexa, máxime em suas preocupações com certas tendências liberticidas da igualdade. Também predominantemente positiva é a percepção dos teóricos que se debruçaram sobre a relação entre desenvolvimento e democracia, com Lipset à frente,mesmo que neste campo o nível de complexidade seja bastante grande, pois o desdobramento histórico da reflexão sobre ela abriu-se, como bem o destacou Fernando Limongi (1997:18), para tendências também pessimistas. Lipset, em “Some Social Requisites of Democracy: Economic Development and Political Legitimacy”, afirma que “talvez a mais ampla generalização vinculando sistemas políticos a outros aspectos da sociedade tem sido que a democracia é relacionada ao estado do desenvolvimento econômico” (1959:75).
Quanto mais desenvolvida a sociedade do ponto de vista econômico, mais próxima ela estaria da democracia, e quanto menos desenvolvida, mais distante estaria dessa forma de governo, de maneira que as sociedades atrasadas viveriam sob governos ditatoriais e as desenvolvidas, sob democracias. O processo de modernização, definido pela transição das sociedades tradicionais para as modernas, seria coroado pelo advento de formas democráticas de governo.

Para ler o artigo na íntegra, clique AQUI.

Nenhum comentário:

Postar um comentário