Sobre o autor


Thadeu de Sousa Brandão

Sociólogo, Mestre e Doutor em Ciências Sociais pela UFRN. Professor Adjunto de Sociologia da UFERSA e do Mestrado Acadêmico Interdisciplinar em "Cognição, Tecnologias e Instituições" (CCSAH/UFERSA) - (Nota 4 CAPES). Líder do grupo de Pesquisa "Observatório da Violência do RN". Autor de "Atrás das Grades: habitus e interação social no sistema prisional", "A Senhora do Sertão: a Festa de Sant'Ana de Caicó" e co-autor de "Rastros de Pólvora: Metadados 2015" e de "Observatório Potiguar 2016: Mapa da Violência do RN". Apresentador do Programa Observador Político da TV Mossoró e 93FM. Colunista do Jornal O Mossoroense.

Política, Sociologia, Ciência, Cultura e Filosofia. Blog criado em 22 de Outubro de 2012 e organizado por Thadeu de Sousa Brandão.

Siga nossa página no Facebook: https://www.facebook.com/profthadeubrandao/

Contato, críticas, sugestões e artigos: thadeubrandao@bol.com.br

segunda-feira, 27 de maio de 2013

Prontidão para a prevenção de maus-tratos infantis

Em colaboração com a OMS e o Instituto Fetzer, o NEV-USP lançou um relatório a respeito da prontidão para a prevenção de maus tratos infantis no Brasil. Os dados indicam que a prevenção da violência contra a criança ainda é incipiente no país .
 
Embora as crianças ainda representem uma parte considerável da população brasileira, políticas para a prevenção de maus-tratos ainda são incipientes e / ou inexistentes no país. Os dados são de uma pesquisa realizada pelo Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo (NEV/USP), em parceria com a Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Instituto Fetzer.
 
Para a elaboração da pesquisa, um grupo de trabalho composto por membros de diversos países discutiu a elaboração e implementação de um instrumento metodológico para mensurar a prontidão a prevenção da violência contra a criança. O Readiness Assessment for the Prevention of Child Maltreatment (RAP-CM) procura avaliar a disposição de comunidades para a implementação de programas de prevenção de maus tratos infantis. O modelo de avaliação procura dimensionar, por exemplo, elementos como a percepção dos profissionais ligados à saúde das crianças, a disponibilidade de dados científicos sobre maus tratos e sua prevenção, a existência de disposição para agir e resolver estas questões e os recursos locais disponíveis para ajudar a prevenir a violência contra a criança.
 
Após a elaboração do instrumento, a pesquisa foi realizada em diversos países do mundo (Brasil, China, Malásia, África do Sul, Arábia Saudita e Macedônia), por meio da coleta de dados e entrevistas com pessoas chaves no campo da prevenção dos maus tratos infantis.
 
Os resultados destes estudos inclui manuais a respeito da metodologia utilizada e relatórios sobre a situação da prevenção dos maus tratos de crianças em cada um dos países pesquisados.
 
Clique aqui  para ler o relatório sobre o Brasil, elaborado pelo NEV/USP (disponível apenas em inglês).
 
Clique aqui para ter acesso aos documentos da pesquisa completa (disponíveis apenas em inglês).

Nenhum comentário:

Postar um comentário