Sobre o autor


Thadeu de Sousa Brandão

Sociólogo, Mestre e Doutor em Ciências Sociais pela UFRN. Professor Adjunto de Sociologia da UFERSA e do Mestrado Acadêmico Interdisciplinar em "Cognição, Tecnologias e Instituições" (CCSAH/UFERSA) - (Nota 4 CAPES). Líder do grupo de Pesquisa "Observatório da Violência do RN". Autor de "Atrás das Grades: habitus e interação social no sistema prisional", "A Senhora do Sertão: a Festa de Sant'Ana de Caicó" e co-autor de "Rastros de Pólvora: Metadados 2015" e de "Observatório Potiguar 2016: Mapa da Violência do RN". Apresentador do Programa Observador Político da TV Mossoró e 93FM. Colunista do Jornal O Mossoroense.

Política, Sociologia, Ciência, Cultura e Filosofia. Blog criado em 22 de Outubro de 2012 e organizado por Thadeu de Sousa Brandão.

Siga nossa página no Facebook: https://www.facebook.com/profthadeubrandao/

Contato, críticas, sugestões e artigos: thadeubrandao@bol.com.br

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Os Ganhos de Vida do RN nos Últimos 30 Anos: Causas, Desafios e Perspectivas

Na íntegra, via Blog Economia do RN, por Aldemir Freire.


O IBGE divulgou ontem as “Tabuas de Mortalidade por Sexo e Idade” do Brasil. Um dos dados que mais chamou a atenção foi o fato do RN ter sido a unidade da federação que mais teve ganhos na expectativa de vida ao nascer.
Em 1980 uma criança que nascia no território potiguar tinha uma expectativa de vida de 58,2 anos e o estado ocupava a 22ª colocação no ranking nacional. Após 30 anos, em 2010, a esperança de vida ao nascer no RN havia saltado para 74 anos, com o estado ganhando praticamente 16 anos de vida a mais e passando a ocupar a 9ª colocação no ranking brasileiro.
Para as mulheres os ganhos foram ainda maiores: 17 anos de vida e esperança de vida ao nascer em 2010 de 78 anos.
O que explica esse desempenho?
Em primeiro lugar a queda da mortalidade infantil: entre 1980 e 2010 a mortalidade infantil no estado regrediu de 121,6 mortes de crianças até um ano de vida para cada grupo de 1.000 nascimentos para 20,6 mortes.
Como fatores determinantes da queda da mortalidade infantil, segundo o IBGE, podemos citar:
1 – melhorias nas condições sanitárias (maior acesso da população a água tratada, esgotamento sanitário e coleta de lixo);
2 – aumento da escolaridade feminina;
3 – aumento da renda da população;
4 – maior acesso da população aos serviços de saúde;
5 – aumento na oferta e qualidade no atendimento pré-natal;
6 – campanhas de vacinação;
7 – políticas de assistência à saúde básica da gestante;
8 – programas de incentivo ao aleitamento materno;
9 – programas de transferências de renda e suas condicionalidades.
Todos esses elementos contribuíram para a queda da mortalidade infantil no estado. Todavia, esses fatores também estiveram presentes em outros estados e não explicam, sozinhos, porque o RN teve o maior ganho na esperança de vida ao nascer.
Passei a madrugada matutando nesse assunto e vasculhando os dados divulgados.
Achei uma informação que ajuda a explicar esse melhor desempenho do estado: a menor intensidade, no RN,  de mortes de jovens por causas violentas (assassinatos, acidentes de trânsitos…).
Vejam o gráfico abaixo que apresenta, para os estados do Nordeste, a intensidade com que as pessoas falecem, segundo os grupos de idade. Observem que para todos os estados existe uma forte elevação nos padrões de mortalidade quando os indivíduos chegam à fase jovem. Essa elevação acomete sobretudo os jovens do sexo masculino e é ocasionada por mortes violentas.
Padrão de Mortaliadade 1
Notem bem que para o RN a intensidade das mortes de jovens é a menor entre os estados do Nordeste.
Essa informação fica mais clara quando damos um zoom no gráfico e apresentamos essas taxas de intensidade apenas para os grupos etários de 10 a 29 anos. Vemos claramente como a mortalidade dos jovens é menos intensa no RN do que nos demais estados da região.
padrão de mortalidade 2
Eis, portanto, o núcleo central da minha tese sobre o melhor desempenho do estado ao longo desses 30 anos: assim como os demais estados nordestinos o RN promoveu uma forte redução de sua mortalidade infantil. Todavia, os demais estados tem uma mortalidade de jovens, causadas sobretudo por violência, que acabam reduzindo a expectativa de vida de suas crianças.
Não estou aqui negando o crescimento da violência contra o jovem no RN. Estou querendo dizer que, relativamente, ela ainda é mais baixa do que naqueles outros estados que registraram as maiores quedas da mortalidade infantil. Estou também querendo reforçar que avançar nos ganhos de vida nas próximas décadas passa por investir também na redução da violência contra os jovens.
Penso que para continuarmos avançando nesse indicador nós precisamos: 1) manter e ampliar as políticas responsáveis pela redução da mortalidade infantil; 2) contermos o avanço da violência contra os jovens; 3) ampliarmos os serviços de atenção básica à saúde, com foco em prevenção e saúde coletiva/comunitária; 4) melhorar o atendimento à população idosa, que será cada vez maior.
Pode parecer excesso de otimismo, mas não é. Estamos caminhando para um “admirável mundo novo”. Os netos da minha geração serão jovens em um RN com expectativa de vida ao nascer de mais de 80 anos e taxas de mortalidade infantil abaixo de 5 mortes por 1000 crianças nascidas vivas.
Só precisa que adotemos as políticas corretas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário