Sobre o autor


Thadeu de Sousa Brandão

Sociólogo, Mestre e Doutor em Ciências Sociais pela UFRN. Professor Adjunto de Sociologia da UFERSA e do Mestrado Acadêmico Interdisciplinar em "Cognição, Tecnologias e Instituições" (CCSAH/UFERSA) - (Nota 4 CAPES). Líder do grupo de Pesquisa "Observatório da Violência do RN". Autor de "Atrás das Grades: habitus e interação social no sistema prisional", "A Senhora do Sertão: a Festa de Sant'Ana de Caicó" e co-autor de "Rastros de Pólvora: Metadados 2015" e de "Observatório Potiguar 2016: Mapa da Violência do RN". Apresentador do Programa Observador Político da TV Mossoró e 93FM. Colunista do Jornal O Mossoroense.

Política, Sociologia, Ciência, Cultura e Filosofia. Blog criado em 22 de Outubro de 2012 e organizado por Thadeu de Sousa Brandão.

Siga nossa página no Facebook: https://www.facebook.com/profthadeubrandao/

Contato, críticas, sugestões e artigos: thadeubrandao@bol.com.br

domingo, 9 de março de 2014

A Rússia e a (im)provável nova Guerra da Criméia

Thadeu de Sousa Brandão, Sociólogo, Doutor em Ciências Sociais, Professor de Sociologia da UFERSA e Consultor de Segurança Pública da OAB/RN.
A história se repetiria duas vezes, uma como tragédia e a outra como farsa, parafraseou Marx em seu "18 Brumário de Luís Bonaparte", acerca do golpe executado pelo sobrinho do ex-Imperador Napoleão, Luís Bonaparte, sagrado Imperador dos franceses como seu tio, quase cinquenta anos antes. Citando corretamente Marx:

“Hegel observa em uma de suas obras que todos os fatos e personagens de grande importância na história do mundo ocorrem, por assim dizer, duas vezes. E esqueceu-se de acrescentar: a primeira vez como tragédia, a segunda como farsa. (...) Os homens fazem sua própria história, mas não a fazem como querem; não a fazem sob circunstâncias de sua escolha e sim sob aquelas com que se defrontam diretamente, legadas e transmitidas  pelo passado” (MARX, 1997, p. 21).

As circunstâncias impostas pelo presente levaram ao malogro Bonapartista, em contraposição à tragédia anterior. O que temos no quadro de hoje, na Velha Europa? Temos um ranço de disputa imperialista, cuja matiz russa remonta não à URSS (União das Repúblicas Socialistas Soviéticas) mas, ao velho Império Czarista e sua amplitude geográfica e de povos. A Ucrânia, desde a formação do Império Russo, sempre foi uma área de interesse imediato: terras férteis e localização fundamental junto ao lago eslavo: o Mar Negro.
Invariavelmente, os ucranianos sempre foram alvo de intervenções e dominação direta russa. A debácle da URSS fez emergir uma série de nacionalismos locais e, dentre eles, o ucraniano. Este, a fim de se proteger da Rússia, se aproximou da Europa Ocidental (leia-se Alemanha, Inglaterra e França). Afinal, os "bárbaros do Leste" são uma ameaça sempre potencial ao Oeste.
O que há de novo neste front afinal? Pouquíssima coisa, afora o contexto e as "circunstâncias" que os atores políticos (indivíduos e nações)estão jogando este velho tabuleiro.  Apesar da globalização e do propagado "livre mercado", o acesso territorial aos portos, a tubulações de petróleo e à terras férteis ainda é fundamental para a manutenção de grandes nações. A Rússia, potência militar e nuclear, ainda que decadente, impõe à forma antiga (lembrando Hitler em 1938 e seus argumentos para a ocupação da Tchecolosváquia e os Sudetos) suas intenções "diplomáticas". A Europa responde também à moda antiga, com a variante que não responde sozinha, mas apoiada pelos Estados Unidos, na defesa da "liberdade e da democracia". Os argumentos são mutuamente anulados, afinal, para se invadir uma nação bastam os argumentos do estuprador. Ilegítimos, é claro.
A Criméia e sua população majoritariamente russa e pró Rússia tende ao separatismo. Ao contrário da Chechênia, este interessa à Rússia e desfalca os interesses ocidentais. Teremos guerra? Improvável. Naquele já distante 1853 o Império Russo disputou com o Império Britânico e Francês a posse da estratégica porta do Mar Negro. Era a época do "Imperialismo, fase superior do capitalismo", como apontou o título do livro de Lênin. Hoje, a dinâmica da guerra é financeira, como mostram as "retaliações" e ameaças de um lado para o outro. Quanto a ter guerra ou não, sigo o palpite de que "Paris não vale uma Missa". Estarei errado? Aguardemos.

Obra Citada

Marx, Karl. O 18 Brumário e Cartas a Kugelmann. 7ª Ed. Tradução de Leandro Konder e Renato Guimarães. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

Nenhum comentário:

Postar um comentário