Sobre o autor


Thadeu de Sousa Brandão

Sociólogo, Mestre e Doutor em Ciências Sociais pela UFRN. Professor Adjunto de Sociologia da UFERSA e do Mestrado Acadêmico Interdisciplinar em "Cognição, Tecnologias e Instituições" (CCSAH/UFERSA) - (Nota 4 CAPES). Líder do grupo de Pesquisa "Observatório da Violência do RN". Autor de "Atrás das Grades: habitus e interação social no sistema prisional", "A Senhora do Sertão: a Festa de Sant'Ana de Caicó" e co-autor de "Rastros de Pólvora: Metadados 2015" e de "Observatório Potiguar 2016: Mapa da Violência do RN". Apresentador do Programa Observador Político da TV Mossoró e 93FM. Colunista do Jornal O Mossoroense.

Política, Sociologia, Ciência, Cultura e Filosofia. Blog criado em 22 de Outubro de 2012 e organizado por Thadeu de Sousa Brandão.

Siga nossa página no Facebook: https://www.facebook.com/profthadeubrandao/

Contato, críticas, sugestões e artigos: thadeubrandao@bol.com.br

sábado, 10 de maio de 2014

Políticas do Governo Federal e a Luta por Reconhecimento: o porquê da raiva de nossas elites

Thadeu de Sousa Brandão, Sociólogo, Doutor em Ciências Sociais e Professor de Sociologia da UFERSA.



Cada vez mais, sejam nas redes sociais ou em espaços públicos privilegiados (shoppings ou espaços de lazer mais elitizados), escuto um vociferar raivoso de certas elites contra aquilo que elas denominam de "esmola social": as várias políticas sociais implementadas nos últimos 16 anos e aprofundadas nos últimos 12 anos, principalmente o "Bolsa Família" e a política de empregabilidade e de valorização do salário mínimo e da massa salarial. Isso, com o crédito mais facilitado, possibilitou a ascensão de uma "nova classe trabalhadora" ou "classe C", que passou a consumir produtos antes nunca dantes provados. Possuir um carro popular, uma casa própria, eletrodomésticos básicos, poder consumir mais no supermercado, andar de avião, pôr os filhos em uma escola privada. Claro que tudo isso não sendo feito ao mesmo tempo.

 

O capitalismo tupiniquim, dependente e claudicante, tomou um certo fôlego. Conseguiu escapar mais ou menos ileso da crise mundial de 2009. Segue andando ainda.
Qual o nó górdio da raiva das elites tupiniquins? Inveja? Não. Envolve a sutil luta por reconhecimento social. Em uma sociedade estratificada como o Brasil,  um corpo substancial de elementos que determinam um certo "comportamento adequado", são inculcadas e mantidas entre os estratos sociais "inferiores". Quando políticas estatais quebram ou solapam parcialmente essa construção de "status negativo" o resultado é uma crise no sistema de reconhecimento. Um propósito fundamental desses elementos é o de impedir que os indivíduos de status inferior possam adquirir qualquer sentido de auto-estima que pudesse vir desafiar a autoridade dos grupos superiores. Do mesmo modo que as antigas normas militares, a etiqueta das relações entre os grupos serve para traçar a linha entre o permissível e o proibido, a um ponto bastante aquém do que é realisticamente perigoso para os grupos dominantes.
Assim, o que ocorreu no Brasil foi essa ruptura, perigosa no ponto de vista hierárquico, dessas noções de "subalternidade". "Como? Pobre agora anda de avião?"; "Minha empregada tem TV de LCD?"; "O pedreiro tem carro zero?"; e assim por diante. Sinais indeléveis da hierarquização não mais são monopolizados, levando a uma ruptura nos padrões de legitimação. A grita vem desta perda de noção simbólica de status, quando os grupos, antes absolutamente marginalizados, agora podem possuir sinais de reconhecimento antes impossíveis.
Estruturalmente, algo mudou? Não. Mas na seara da luta por reconhecimento e na mudança do velho sistema hierárquico tupiniquim, começamos a dar os primeiros passos.

Um comentário: