Sobre o autor


Thadeu de Sousa Brandão

Sociólogo, Mestre e Doutor em Ciências Sociais pela UFRN. Professor Adjunto de Sociologia da UFERSA e do Mestrado Acadêmico Interdisciplinar em "Cognição, Tecnologias e Instituições" (CCSAH/UFERSA) - (Nota 4 CAPES). Líder do grupo de Pesquisa "Observatório da Violência do RN". Autor de "Atrás das Grades: habitus e interação social no sistema prisional", "A Senhora do Sertão: a Festa de Sant'Ana de Caicó" e co-autor de "Rastros de Pólvora: Metadados 2015" e de "Observatório Potiguar 2016: Mapa da Violência do RN". Apresentador do Programa Observador Político da TV Mossoró e 93FM. Colunista do Jornal O Mossoroense.

Política, Sociologia, Ciência, Cultura e Filosofia. Blog criado em 22 de Outubro de 2012 e organizado por Thadeu de Sousa Brandão.

Siga nossa página no Facebook: https://www.facebook.com/profthadeubrandao/

Contato, críticas, sugestões e artigos: thadeubrandao@bol.com.br

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Membro do GEDEV publica na Revista "Turismo: estudos e práticas" sobre a Festa de Sant'Ana de Caicó

FESTA, ALIMENTAÇÃO E IDENTIDADE: A FEIRINHA DA FESTA DE SANT’ANA DE CAICÓ

 

Thadeu de Sousa Brandão (Sociólogo, Mestre e Doutor em Ciências Sociais, Professor de Sociologia da UFERSA, Coordenador do GEDEV).

 Resumo

O presente trabalho procura compreender como se efetua a [re]construção das identidades locais (caicoense/seridoense) a partir da Festa de Sant’Ana de Caicó. Parte-se do conceito de cultura da antropologia interpretativa e do conceito clássico de representações sociais, onde se compreende festa enquanto fato social total e enquanto universo simbólico [re]construtor de identidades sociais. Através da observação participante, adentrou-se no universo de pesquisa tentando pautar-se numa pesquisa intensiva e em etnografia, construindo-se uma descrição densa do fenômeno. A [re] construção de identidades dentro da Festa de Sant’Ana de Caicó não apenas se realiza a partir de símbolos ligados à festa, mas também com símbolos ligados à tradição e à história local. Destes, Sant’Ana torna-se o grande símbolo aglutinador. Enfim, em última instância, ela aglutina também em si as várias representações sociais que re[constroem] a identidade local.
 
Para ler o artigo na íntegra, clique AQUI (versão completa em PDF).

Nenhum comentário:

Postar um comentário