Sobre o autor


Thadeu de Sousa Brandão

Sociólogo, Mestre e Doutor em Ciências Sociais pela UFRN. Professor Adjunto de Sociologia da UFERSA e do Mestrado Acadêmico Interdisciplinar em "Cognição, Tecnologias e Instituições" (CCSAH/UFERSA) - (Nota 4 CAPES). Líder do grupo de Pesquisa "Observatório da Violência do RN". Autor de "Atrás das Grades: habitus e interação social no sistema prisional", "A Senhora do Sertão: a Festa de Sant'Ana de Caicó" e co-autor de "Rastros de Pólvora: Metadados 2015" e de "Observatório Potiguar 2016: Mapa da Violência do RN". Apresentador do Programa Observador Político da TV Mossoró e 93FM. Colunista do Jornal O Mossoroense.

Política, Sociologia, Ciência, Cultura e Filosofia. Blog criado em 22 de Outubro de 2012 e organizado por Thadeu de Sousa Brandão.

Siga nossa página no Facebook: https://www.facebook.com/profthadeubrandao/

Contato, críticas, sugestões e artigos: thadeubrandao@bol.com.br

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Crença em "jeitinho" para driblar lei é maior entre mais ricos e escolarizados

Na íntegra, via UNISINOS.

 
O Índice de Confiança na Justiça Brasileira (ICJBrasil), divulgado como parte da 8ª edição do Anuário Brasileiro de Segurança Pública, mostrou que 81% dos entrevistados acreditam ser fácil desobedecer às leis brasileiras e também ser possível ‘dar um jeitinho’ para escapar de punições.
A reportagem foi publicada por BBC Brasil, 11-11-2014.
Segundo a pesquisa, “a grande maioria dos brasileiros entende que a lei pode ser facilmente ignorada e que esse comportamento é generalizado”. O levantamento não verificou se essas mesmas pessoas usam o ‘jeitinho’ ou desrespeitam as leis, mediu apenas a crença predominante na sociedade a respeito do tema.

“Esses dados reforçam o senso comum de que no Brasil “as leis ficam apenas no papel”, contribuindo para a disseminação de uma “cultura de desrespeito à lei”, diz o estudo.

O levantamento, feito pela Fundação Getúlio Vargas com 7.176 pessoas em oito Estados, mostra que a percepção de que, com o jeitinho, é possível driblar leis é mais comum entre os mais escolarizados e com renda mais elevada. São Paulo e Rio de Janeiro são os dois Estados em que a crença de que é fácil desobecer às leis é mais disseminada.

Entre os entrevistados com baixa escolaridade, 76% acreditam ser fácil desobedecer às leis. O percentual é de 84% entre os mais escolarizados.

A percepção de que sempre é possível “dar um jeitinho” cresce de acordo com a renda do entrevistado, abrangendo 69% dos entrevistados com rendimento de até um salário mínimo, 79% com rendimento de um a quatro salários mínimos, 82% dos com rendimentos entre quatro e oito salários mínimos, chegando a 86% dos com rendimento superior a oito salários mínimos.

"Quanto mais recursos e informações uma pessoa possui, e quanto menor a vulnerabilidade econômica e social a que ela está sujeita, mais ela parece concordar com a facilidade de desrespeitar as leis no país", diz o documento.

O estudo compara o que chama de 'cultura de desrespeito à lei' ao conceito usado por Mauricio Garcia-Villegas, ao interpretar a herança da colonização portuguesa e espanhola na América Latina, em que 'burlar a norma não é visto ou sentido como algo moral ou socialmente reprovável'.

O Anuário Brasileiro de Segurança Pública acompanha diversas estatísticas relacionadas à violência no Brasil como total de assassinatos, estupros, roubos de carros entre outros crimes.

Na conclusão geral, o documento diz ser possível, com as políticas certas e menos morosidade da Justiça, reduzir o número de assassinatos no País em até 70%.



Nenhum comentário:

Postar um comentário