Sobre o autor


Thadeu de Sousa Brandão

Sociólogo, Mestre e Doutor em Ciências Sociais pela UFRN. Professor Adjunto de Sociologia da UFERSA e do Mestrado Acadêmico Interdisciplinar em "Cognição, Tecnologias e Instituições" (CCSAH/UFERSA) - (Nota 4 CAPES). Líder do grupo de Pesquisa "Observatório da Violência do RN". Autor de "Atrás das Grades: habitus e interação social no sistema prisional", "A Senhora do Sertão: a Festa de Sant'Ana de Caicó" e co-autor de "Rastros de Pólvora: Metadados 2015" e de "Observatório Potiguar 2016: Mapa da Violência do RN". Apresentador do Programa Observador Político da TV Mossoró e 93FM. Colunista do Jornal O Mossoroense.

Política, Sociologia, Ciência, Cultura e Filosofia. Blog criado em 22 de Outubro de 2012 e organizado por Thadeu de Sousa Brandão.

Siga nossa página no Facebook: https://www.facebook.com/profthadeubrandao/

Contato, críticas, sugestões e artigos: thadeubrandao@bol.com.br

sexta-feira, 7 de novembro de 2014

Lançamento do livro: "Atrás das grades: redes sociais, habitus e interação social no sistema carcerário"


Com prazer que anunciamos o lançamento do livro do Professor Thadeu Brandão do GEDEV-UFERSA: "Atrás das grades: redes sociais, habitus e interação social no sistema carcerário", pelas Novas Edições Acadêmicas e com prefácio de Edmilson Lopes Júnior da UFRN. A mesma foi fruto de nossa tese de doutorado em Ciências Sociais (PPGCS-UFRN) e teve como objeto central as redes criminosas da Penitenciária de Alcaçuz.

Segue o prefácio, na íntegra:

A sociologia, quando orientada pela bússola do rigor analítico e assentada em bases empíricas, contribui para o enriquecimento do debate público. Um efeito não diretamente buscado desse tipo de empreendimento intelectual é o próprio fortalecimento da sociologia como campo específico de objetivação do mundo social. Esses dois resultados são especialmente valiosos em determinadas áreas temáticas nas quais preconceitos e lugares-comuns substituem o debate racional. Esse é o caso, em especial, do amplo leque de questões comumente identificadas sob a rubrica de “violência e segurança pública”.
O livro que o leitor agora terá a oportunidade de desfrutar é um bem-vindo exercício de análise sociológica sobre o universo prisional brasileiro. Os referentes empíricos, levantados a partir de um ousado trabalho de campo realizado no sistema prisional do Rio Grande do Norte, fundamentam observações argutas e proposições substantivas sobre a vida na prisão. Para alcançar esse nível de elaboração, Thadeu Brandão foi além do feijão com arroz tradicional das análises dos sistemas prisionais comumente empreendidas no âmbito das ciências sociais brasileiras. Não se contentou em reproduzir assertivas funcionalistas a respeito do lugar da prisão no mundo moderno. Tampouco se limitou a reproduzir as consignas soi disant críticas e desconstrucionistas que enfeitam as obras da moda do abolicionismo penal. O seu exercício foi o de aliar o rigor da pesquisa com a interpelação sem mesuras acríticas das abordagens canônicas que fornecem as chaves interpretativas geralmente mobilizadas para o entendimento do fenômeno prisional moderno.
Para alcançar tal desiderato, Thadeu Brandão dialogou vivamente com teorias que procuram articular os níveis micro e macro da ação social. Ao seguir essa trilha analítica, o autor conseguiu identificar, por exemplo, as complexas teias articuladas pelos detentos para lidar com os desafiadores ambientes e situações de um sistema prisional que escora a sua frágil legitimidade na negação de humanidade aos sujeitos que caem em suas malhas.
Em um país no qual já nos aproximamos do estarrecedor número de 1 milhão de detentos, é, ironicamente, um objeto sociológico per si o fato de o nosso sistema prisional referenciar ainda tão poucos trabalhos de sociologia crítica. Talvez essa ausência, em parte, explique o elevado grau de populismo penal que assoma o nosso limitado debate público. O que faz com que, entre nós, fórmulas bestializadas como aquelas da pena de morte ou da menoridade penal não apenas encontrem ecos na chamada opinião pública, mas, o que é ainda mais doloroso para todos quantos nos orientamos pela ampliação da cultura dos direitos humanos, transforme-se em bandeira eleitoral garantidora de dividendos eleitorais.
Diante desse quadro, é quase balsâmica a leitura de um trabalho com este que aqui se apresenta. Uma análise rigorosa, orientada pelo princípio de não se alegrar e nem lamentar os fatos do mundo, mas dotá-los de inteligibilidade transformando-os em objetos da discussão pública.

Prof. Dr. Edmilson Lopes Júnior
Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais - UFRN

Nenhum comentário:

Postar um comentário