quinta-feira, 27 de novembro de 2014

O Capital e a encenação da verdade segundo Slavoj Zizek

Thadeu de Sousa Brandão, Sociólogo, Mestre e Doutor em Ciências Sociais, Professor da UFERSA e Coordenador do GEDEV.

Slavoj Zizek
Em artigo publicado em 13 de julho de 2014 no jornal inglês The Guardian, Slavoj Zizek discutiu a assinatura  do acordo de comércio internacional que servirá efetivamente como uma espécie de espinha dorsal legal para a reestruturação dos mercados mundiais. Como o assunto quase não foi discutido na "grande mídia", em junho, a WikiLeaks tornou público o texto secreto do projeto do acordo. Abrange mais 50 países.

O acordo estabelece regras que auxiliam a expansão das multinacionais financeiras em outras nações, impedindo barreiras regulamentares. Proíbe mais regulamentação dos serviços financeiros, apesar do fato de que a crise financeira de 2007-08 é geralmente entendida como resultante de uma falta de regulamentação. Além disso, os EUA estão particularmente interessados em aumentar o fluxo de dados "trans" fronteiras, incluindo o tráfego de dados pessoais e financeiros. Apesar de tudo isso, ouvimos pouco sobre ele, afirmou Zizek.

O sigilo não surpreende. Um século e meio atrás, no Capital, Karl Marx caracterizou o mercado de câmbio entre o trabalhador e capitalista como "um Éden dos direitos inatos do homem" fornecia a chave do que a liberdade e a igualdade significava efetivamente na sociedade capitalista. E por igualdade significa a igualdade formal legal do comprador e do vendedor, mesmo que um deles é forçado a vender o seu trabalho sob quaisquer condições (como os trabalhadores precários de hoje).

Segundo Zizek impõe-se uma retórica democrática obscena: mercados globais estão mais democráticos do que eleições parlamentares, uma vez que o processo de votação se passa permanentemente (e se reflete de forma permanente em flutuações do mercado) e em um nível global, não apenas dentro dos limites de um estado-nação.

Zizek diz que:

"Este, então, é onde estamos em relação à democracia, bem como o acordo 'Tisa' é um exemplo perfeito. As decisões-chave sobre a nossa economia são negociadas e executadas em segredo, e definem as coordenadas para a regra desembaraçadas de capital. Desta forma, o espaço para a tomada de decisões pelos políticos democraticamente eleitos é severamente limitada, e o processo de acordos políticos predominantemente com problemas de direção que o capital é indiferente (como guerras de cultura)".

É por isso que o lançamento do projeto Tisa assinala uma nova etapa na estratégia WikiLeaks: até agora a sua atividade tem sido focada em tornar público como nossas vidas são monitoradas e reguladas pelas agências de inteligência - o tema liberal padrão de indivíduos ameaçados pela estatal opressiva aparelhos. Agora uma outra força de controle é exibida - o Capital - que ameaça a nossa liberdade de uma forma muito mais evidente: pervertendo próprio sentido do que a palavra significa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observatório da Violência do RN lança Mapa da Violência 2017

O OBVIO - Observatório da Violência, em parceria com a Comissão de Segurança Pública da OAB, convida estudiosos e autoridades da área de...