Sobre o autor


Thadeu de Sousa Brandão

Sociólogo, Mestre e Doutor em Ciências Sociais pela UFRN. Professor Adjunto de Sociologia da UFERSA e do Mestrado Acadêmico Interdisciplinar em "Cognição, Tecnologias e Instituições" (CCSAH/UFERSA) - (Nota 4 CAPES). Líder do grupo de Pesquisa "Observatório da Violência do RN". Autor de "Atrás das Grades: habitus e interação social no sistema prisional", "A Senhora do Sertão: a Festa de Sant'Ana de Caicó" e co-autor de "Rastros de Pólvora: Metadados 2015" e de "Observatório Potiguar 2016: Mapa da Violência do RN". Apresentador do Programa Observador Político da TV Mossoró e 93FM. Colunista do Jornal O Mossoroense.

Política, Sociologia, Ciência, Cultura e Filosofia. Blog criado em 22 de Outubro de 2012 e organizado por Thadeu de Sousa Brandão.

Siga nossa página no Facebook: https://www.facebook.com/profthadeubrandao/

Contato, críticas, sugestões e artigos: thadeubrandao@bol.com.br

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

RN chega aos 1162 homicídios até este domingo

Por Thadeu Brandão, na íntegra via O Mossoroense.


O Observatório da Violência do Rio Grande do Norte (OBVIO) divulgou novamente mais dados quantitativos sobre a violência homicida no RN. As chamadas Condutas Violentas Letais Intencionais (CVLIS) que, tratadas de forma imparcial e estatística, auditadas por este escriba e docente, especialista em criminalidade e violência. Os dados, trazidos da metodologia “Metadados”, foram trabalhados e sistematizados pelo especialista Ivenio Hermes, que é o criador e organizador da metodologia e coordenador do OBVIO do qual participamos como analista e auditor.
 
 Até o último domingo (07/08/2016) foram 1162 CVLIS no RN. Os dados apontam para um aumento de 22,32% em relação à 2015 (que havia tido queda significativa até então). Em termos brutos, foram 212 mortes violentas a mais que no ano passado no mesmo período. Em 2014, até o mesmo período, foram 1100 CVLIS, contra 950 em 2015. 2016, em termos de taxa, apresenta até agora a maior, com 33,76 homicídios por 100 mil habitantes, contra 27,6 em 2015 e 32,27 em 2014.

Nenhum comentário:

Postar um comentário