Sobre o autor


Thadeu de Sousa Brandão

Sociólogo, Mestre e Doutor em Ciências Sociais pela UFRN. Professor Adjunto de Sociologia da UFERSA e do Mestrado Acadêmico Interdisciplinar em "Cognição, Tecnologias e Instituições" (CCSAH/UFERSA) - (Nota 4 CAPES). Líder do grupo de Pesquisa "Observatório da Violência do RN". Autor de "Atrás das Grades: habitus e interação social no sistema prisional", "A Senhora do Sertão: a Festa de Sant'Ana de Caicó" e co-autor de "Rastros de Pólvora: Metadados 2015" e de "Observatório Potiguar 2016: Mapa da Violência do RN". Apresentador do Programa Observador Político da TV Mossoró e 93FM. Colunista do Jornal O Mossoroense.

Política, Sociologia, Ciência, Cultura e Filosofia. Blog criado em 22 de Outubro de 2012 e organizado por Thadeu de Sousa Brandão.

Siga nossa página no Facebook: https://www.facebook.com/profthadeubrandao/

Contato, críticas, sugestões e artigos: thadeubrandao@bol.com.br

sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Diárias Operacionais e velhos dilemas na Segurança Pública do RN

Por Thadeu Brandão.



Circulou esta semana em grupos de wathsapp (sempre neles...) um discurso de certo político(a) do nosso interior potiguar, comparando "policial que faz bico em sua folga a bandido". Fora de contexto ou não, a polêmica (?) traz à baila as seguintes questões:

1) Há um problema institucional e estrutural a ser sanado, que não pode ser motivo para uma caça às bruxas ao elo mais fraco da cadeia (o praça da PM e o agente da PC);

2) Um dos motivos pelos quais os que praticam os "bicos" o fazem, é o baixíssimo valor (50 reais) das Diárias Operacionais oferecidas pelo estado que, a propósito, são pagas invariavelmente com atraso;

3) O próprio sistema de horário/folga precisa ser repensado, mas não para punir o servidor/trabalhador, mas para pensar em sua sanidade física e mental. Neste sentido, sabemos que a questão salarial é o X da contenda;

4) Discussão pública sobre o caso suscita questionamentos (ou não) sobre a própria militarização das polícias e seus efeitos sobre a capacidade da tropa de se mobilizar enquanto categoria de trabalho.

Algumas reflexões para pensarmos. Ou não.

Nenhum comentário:

Postar um comentário