sábado, 1 de outubro de 2016

A rejeição como o grande eleitor de 2016 em Mossoró

Por Thadeu Brandão.


A pesquisa divulgada hoje pelo Jornal DeFato, não trouxe nenhuma novidade para quem observa a política de Mossoró. 
Mesmo assim, pesquisas não são retratos de momentos. São enquetes eleitorais que apontam tendências e probabilidades. Sem fatos políticos novos e contundentes (fora a saída do prefeito micarlizante e seus 3% de eleitorado), a tendência está consolidada.
Falei desde início da campanha que o fator rejeição era o fundamental. Ele será ainda o definidor. Mas, falar e comentar não é proibido ainda pelo TRE.
Importante lembrar que o ator rejeição é forte. A tendência da maioria declarar que não vota de forma alguma em candidatos ligados à Silveirinha é o principal elemento para entender a tendência.
Apesar da poderosa máquina da PMM, o maior erro do candidato do PSDB em Mossoró foi se associar aos aliados de Silveira. Perdeu a aura de "novo" e alocou seu nome a um a gestão com quase 90% de reprovação. Seus 3% de votos, que NINGUÉM contestou, são a amostra disso.
Além disso, associado à Claudia Regina, José Agripino, Rogério Marinho, entre outros, apontou que a novidade não é tão nova, ao menos aos olhos do eleitor (ele é novo enquanto figura NA política, mas não em seus bastidores, como financiador eleitoral...).
A grande surpresa desta pesquisa é a visualização de Guttemberg Dias que vai consolidando seu nome como alternativa futura para a cidade. Deve chegar com mais de 5% nesta eleição. Na anterior, como o mesmo instituto previu, ficou com cerca de 1%.
No frigir dos ovos, vai ganhar quem se afastou mais de Silveirinha e quem manteve seu capital eleitoral nesta campanha curtíssima. Neste sentido, se parece muito com a de 2014.

Um comentário:

Observatório da Violência do RN lança Mapa da Violência 2017

O OBVIO - Observatório da Violência, em parceria com a Comissão de Segurança Pública da OAB, convida estudiosos e autoridades da área de...