Sobre o autor


Thadeu de Sousa Brandão

Sociólogo, Mestre e Doutor em Ciências Sociais pela UFRN. Professor Adjunto de Sociologia da UFERSA e do Mestrado Acadêmico Interdisciplinar em "Cognição, Tecnologias e Instituições" (CCSAH/UFERSA) - (Nota 4 CAPES). Líder do grupo de Pesquisa "Observatório da Violência do RN". Autor de "Atrás das Grades: habitus e interação social no sistema prisional", "A Senhora do Sertão: a Festa de Sant'Ana de Caicó" e co-autor de "Rastros de Pólvora: Metadados 2015" e de "Observatório Potiguar 2016: Mapa da Violência do RN". Apresentador do Programa Observador Político da TV Mossoró e 93FM. Colunista do Jornal O Mossoroense.

Política, Sociologia, Ciência, Cultura e Filosofia. Blog criado em 22 de Outubro de 2012 e organizado por Thadeu de Sousa Brandão.

Siga nossa página no Facebook: https://www.facebook.com/profthadeubrandao/

Contato, críticas, sugestões e artigos: thadeubrandao@bol.com.br

segunda-feira, 3 de outubro de 2016

Mossoró: entre a Vontade e a Representação

Por Thadeu Brandão.


O pleito de ontem, em todo o Brasil, apontou o previsto: uma acachapante derrota das esquerdas e um definhamento do PT nas maiores cidades e capitais. No Rio Grande do Norte, pouca coisa mudou, já que o PT nunca teve nem maioria e nem a hegemonia do campo político local. Em Natal, Carlos Eduardo Alves confirmou todas as pesquisas e venceu em primeiro turno com mais de 60% dos votos válidos.
E Mossoró? Confirmou o que todas as enquetes internas e não publicadas diziam, assim como, apesar da discrepância da última pesquisa, estranhamente publicada no dia do pleito, disseram: Rosalba Ciarlini foi reconduzida ao cargo pela quarta vez.
O bafafá das pesquisas começou pelo fato de que demoraram demais a serem realizadas. Falta de dinheiro foi um dos motivos alegados. Geralmente quem financia as enquetes são empresas de mídia ou organizações não governamentais. Apenas o Jornal DeFato e a TCM (Grupo de TV a Cabo e Rádio) as fizeram. 
A pesquisa da primeira, feita quase 10 dias antes do pleito, apontava vitória de Rosalba com maioria de mais de 25%, colocando-a com 56% dos votos válidos. Mesmo passado esse tempo todo, ela terminou com mais de 51% dos votos válidos. A pesquisa TCM, feita 3 dias antes do pleito, apontou empate técnico absoluto: diferença de 2%. A discrepância foi aterradora: a diferença pró-Rosalba ficou perto dos 9%. 
Houve acusações, injustas e infundadas, contra o Jornal de DeFato, inclusive por parte de autoridades, de que os dados haviam sido manipulados. Os mais tranquilos, argumentaram que a distância da coleta era a explicação. Mas, como escrevi em coluna anterior, o que poderia ter mudado para o cenário ter sido tão alterado? Nada ou quase nada.
Afinal, além da margem de erro, o número de "não sabe/não respondeu" da pesquisa da TCM era muito grande: cerca de 15%. Só isso deixaria qualquer um de cabelo em pé. Em Mossoró, onde as representações ousam querer virar vontade, a grita de "pesquisa verdadeira" tomou conta dos esperançosos de última hora.  Com gritos e ranger de dentes, li e ouvi as piadas de sempre. Respondi: mais tarde saberemos se nossa reflexão estava errada ou não. 
Pesquisas não alteram resultados consolidados e nem mesmo são retratos de realidade. São amostras e os modelos amostrais, por mais rígidos que sejam, podem errar. Numa sociedade da Modernidade Líquida onde as pessoas transitam com imensa fluidez e rapidez, os modelos de pesquisa, talvez e apenas talvez, precisem ser repensados.
Ao comparar ambas as pesquisas só não fui chamado de santo. Engraçado é que ouvi piada dos mesmos sujeitos que me acusaram de ser "incrédulo" acerca da doação de 15 milhões de um tal de Pacheco, para o Santuário de Santa Luzia. A esses, respondi com meu silêncio e com o tempo.
Como Cientista Social e como alguém que trabalha com dados quantitativos, ou seja, com a dureza indelével dos números e com a subjetividade dos discursos, eis minha resposta: mantenho meu humilde lugar de professor e pesquisador à serviço da sociedade.

Aos eleitos(as) nosso desejo de bom trabalho. Tenham a certeza que serão cobrados(as).

Nenhum comentário:

Postar um comentário