Sobre o autor


Thadeu de Sousa Brandão

Sociólogo, Mestre e Doutor em Ciências Sociais pela UFRN. Professor Adjunto de Sociologia da UFERSA e do Mestrado Acadêmico Interdisciplinar em "Cognição, Tecnologias e Instituições" (CCSAH/UFERSA) - (Nota 4 CAPES). Líder do grupo de Pesquisa "Observatório da Violência do RN". Autor de "Atrás das Grades: habitus e interação social no sistema prisional", "A Senhora do Sertão: a Festa de Sant'Ana de Caicó" e co-autor de "Rastros de Pólvora: Metadados 2015" e de "Observatório Potiguar 2016: Mapa da Violência do RN". Apresentador do Programa Observador Político da TV Mossoró e 93FM. Colunista do Jornal O Mossoroense.

Política, Sociologia, Ciência, Cultura e Filosofia. Blog criado em 22 de Outubro de 2012 e organizado por Thadeu de Sousa Brandão.

Siga nossa página no Facebook: https://www.facebook.com/profthadeubrandao/

Contato, críticas, sugestões e artigos: thadeubrandao@bol.com.br

segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

OBVIO-RN aponta média de 17 homicídios no Final de Semana do Natal no RN

O OBVIO - Observatório da Violência Letal Intencional do RN, apresenta uma nova atualização de CVLIs, no período compreendido entre 23 a 25 de dezembro de 2016 comparado ao mesmo 
período dos anos de 2014 e 2015.

 Depois de outra semana com 11 CVLIs, período de segunda a quinta, o final de semana do Natal voltou a apresenta elevação da sanha homicida em 2016. Até o fim da noite de ontem (25/12/2016) foram 1.945 CVLIs no RN. Os dados apontam para um aumento de 19,4% em relação à 2015. Os dados absolutos demonstram 316 mortes violentas a mais que no ano passado no mesmo período. Em 2014, até o mesmo período, foram 1.734 CVLIs, contra 1.629 em 2015. O ano 2016 apresenta a maior taxa de CVLI por 100 mil habitantes, 56,50, comparado a 47,32 em 2015 e 50,87 em 2014.

  dezembro-2016-fds-04 

 Os dados consolidados pelo Observatório, mostram que a taxa de 2016 ultrapassa em definitivo da taxa de 2014, a mais alta até então, e 2015, onde foi conseguida uma redução, foi uma ilha de excelência no trabalho integrado. Com um ano tão violento, em 2017, qualquer redução será apenas resultado da própria dinâmica da violência, pois a ausência de políticas públicas jamais conseguirão refletir qualquer resultado positivo.

  dezembro-2016-messoregioes-fds-04 


A dinâmica da violência elenca fatores que têm levado a concentração de CVLI no Leste Potiguar já foram amplamente divulgados por este Observatório em diversos relatórios, que desta feita foi responsável por incríveis 88% dos homicídios do final de semana (15 do total), seguida pelo Agreste Potiguar e pela Central Potiguar registrando 1 CVLI em cada (12% do total). A mesorregião Oeste Potiguar não registrou CVLIs nesse final de semana.

  dezembr-2016-tabela-cidades-fds-04
dezembro-2016-cidades-fds-04

Natal e municípios da Região Metropolitana capitanearam quase que absolutamente a violência homicida nesse final de semana. Natal na frente com 6 CVLIs (35% do total) seguida por Parnamirim com 3 CVLIs (17% do total), Nísia Floresta com 2 CVLIs (12% do total), Ceará-Mirim, Extremoz, Macaíba e São José de Mipibu com 1 CVLI em cada, somando juntas 24% do total. Destarte, a RMN foi responsável por 88% dos CVLIs do final de semana. Fora da RMN não houve destaques.

Macau, na Região Central e Passa-e-Fica na Região Agreste, tiveram 1 CVLI em cada, encerrando os 12% da violência homicida no final de semana do Natal.

 Na véspera e no dia do Natal foram dias marcantes, pois se espera que nessa data haja redução da sanha criminal letal em virtude das celebrações do Natal, mas foram 11 casos registrados no sábado e 6 no domingo, sendo os outros 6 CVLIs registrados na sexta-feira, antevéspera do Natal. Somente armas de fogo foram utilizadas na perpetração dos CVLIs, todas as 26 ocorrências. Portanto, fizemos um levantamento do tipo de local onde essas mortes matadas ocorreram. As mortes em vias públicas, equipamentos públicos (praças, quadras de esporte e outras áreas de convivência), dentro e próximo da residência, dão mostras da crueldade desenfreada que se destaca em 2016.

  dezembro-2016-locais-crimes-04 

Foram 53% em vias públicas (9 do total), 12% em dentro da própria residência da vítima (2 do total) e 23% (4 do total) dentro de hospitais e prontos socorros. O restante ficou 6% nos equipamentos públicos (1 do total) e 6% (1 do total), na calçada ao lado da residência.

 O OBVIO Utiliza a sigla CVLI para as Condutas Violentas Letais Intencionais que reúnem todo espectro da ação humana que visa a atingir fisicamente a outro, produzindo morte como resultado final imediato ou posterior em decorrência da natureza do ferimento causado, em virtude de ação e/ou omissão. O conceito que adotam se adapta à legislação sem prejulgar ninguém, muito menos causar prejuízo na aferição dos números da violência letal intencional, sendo incluídos todos os crimes e condutas análogas que tenham sido cometidas sob esse entendimento. O Observatório da Violência do Rio Grande do Norte (OBVIO), assim como vem divulgando os dados quantitativos sobre a violência homicida no RN em geral, as chamadas Condutas Violentas Letais Intencionais (CVLIs), traz também os dados específicos relativos ao “feminicídio”, ou seja, as mortes violentas e homicídios ocorridos com mulheres (como elemento motivador o fato de serem mulheres e mortes de mulheres em geral).

  dezembro-2016-femicidio-fds-04 

 Até domingo (25/12/2016) foram 105 femicídios no ano de 2016 no RN, 111 em 2015 e 123 em 2014 no comparativo com o mesmo período. Quanto aos "feminicídios", foram 37 em 2016, ou seja, 32,14% a mais que 2015, sendo que em 2014 foram 29 casos. Dados comparativos do mesmo período.

 A violência está tão desenfreada que qualquer sinal de redução nos próximos meses será apenas fruto da dinâmica da violência como fenômeno independente, pois nenhuma política ou plano de segurança pública foi desenhado ou implantado no segundo ano da atual gestão administrativa, até atingirmos 1.945 casos de CVLI, restando ainda 5 dias para encerrar o mês e o ano mais violento da história do RN.
 Segundo o OBVIO, o estado de insegurança se legitimiza e alicerça a violência e a impunidade, pois um número cada vez maior de crimes e cada vez menor de policiais e de políticas eficazes, não pode apontar qualquer projeção de redução no Rio Grande do Norte, que em 2016 se tornou realmente em um Rio Grande de Morte.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário