Sobre o autor


Thadeu de Sousa Brandão

Sociólogo, Mestre e Doutor em Ciências Sociais pela UFRN. Professor Adjunto de Sociologia da UFERSA e do Mestrado Acadêmico Interdisciplinar em "Cognição, Tecnologias e Instituições" (CCSAH/UFERSA) - (Nota 4 CAPES). Líder do grupo de Pesquisa "Observatório da Violência do RN". Autor de "Atrás das Grades: habitus e interação social no sistema prisional", "A Senhora do Sertão: a Festa de Sant'Ana de Caicó" e co-autor de "Rastros de Pólvora: Metadados 2015" e de "Observatório Potiguar 2016: Mapa da Violência do RN". Apresentador do Programa Observador Político da TV Mossoró e 93FM. Colunista do Jornal O Mossoroense.

Política, Sociologia, Ciência, Cultura e Filosofia. Blog criado em 22 de Outubro de 2012 e organizado por Thadeu de Sousa Brandão.

Siga nossa página no Facebook: https://www.facebook.com/profthadeubrandao/

Contato, críticas, sugestões e artigos: thadeubrandao@bol.com.br

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Primeiro FDS de dezembro com 25 homicídios no RN, registra OBVIO

OBVIO - Observatório da Violência Letal Intencional do RN, apresenta uma nova atualização de CVLIs, no período compreendido entre 1 de janeiro a 04 de dezembro de 2016 comparado ao mesmo período dos anos de 2014 e 2015.

Até o fim da noite de ontem (04/12/2016) foram 1.842 CVLIs no RN. Os dados apontam para um aumento de 19,92% em relação à 2015. Em termos brutos, já se conta 306 mortes violentas a mais que no ano passado no mesmo período. Em 2014, até o mesmo período, foram 1.639 CVLIs, contra 1.536 em 2015. O ano 2016 apresenta a maior taxa de CVLI por 100 mil habitantes, 53,51, comparado a 44,62 em 2015 e 48,09 em 2014. Os dados consolidados por este Observatório, mostram que a taxa de 2016 ultrapassa em definitivo da taxa de 2014, a mais alta até então.



Os fatores que têm levado a concentração de CVLI no Leste Potiguar já foram amplamente divulgados por este Observatório, que foi responsável novamente por 68% dos homicídios do final de semana (17 do total), destacando-se que na sequência vem o Agreste Potiguar com 20% (5 do total) e o Oeste Potiguar com 2 (8% do total). A Central Potiguar registrou 1 CVLI (4% do total).





Natal registrou 6 CVLIs (24% do total) seguida de São José de Mipibu com 5 (20% do total) e Parnamirim registrando 2 (12% do total), seguidas por uma ocorrência em cada município a seguir (4% do total cada): Arez, Bento Fernandes, Frutuoso Gomes, Guamaré, João Câmara, Macaíba, Mossoró, Nisia Floresta, Parazinho, São Gonçalo do Amarante, São Paulo do Potengi e Tangará.








O dia de maior incidência criminal foi Sábado, com 13 CVLIs, 52% das ocorrências. Domingo foram computados 9 CVLIs (36% do total) e Sexta-feira com 3 CVLIs (12% do total).




Quanto ao tipo de instrumento utilizado na perpetração dos CVLIs, 22 ocorrências (88% do total) foram com arma de fogo e duas (8% do total) foram com arma branca. Ainda houve o registro de espancamento (1) perfazendo 4% do total.




As Condutas Violentas Letais Intencionais reúnem todo espectro da ação humana que visa a atingir fisicamente a outro, produzindo morte como resultado final imediato ou posterior em decorrência da natureza do ferimento causado, em virtude de ação e/ou omissão. 
Destarte, o conceito adotado se adapta sem prejulgar ninguém, muito menos causar prejuízo na aferição dos números da violência letal intencional, sendo incluídos todos os crimes e condutas análogas que tenham sido cometidas sob esse entendimento.  





O Observatório da Violência do Rio Grande do Norte (OBVIO), assim como vem divulgando os dados quantitativos sobre a violência homicida no RN em geral, as chamadas Condutas Violentas Letais Intencionais (CVLIS), traz também os dados específicos relativos ao “feminicídio”, ou seja, as mortes violentas e homicídios ocorridos com mulheres (como elemento motivador o fato de serem mulheres e mortes de mulheres em geral).
Até domingo (04/12/2016) foram 100 femicídios no ano de 2016 no RN, 111 em 2015 e 123 em 2014 no comparativo com o mesmo período. Quanto aos "feminicídios", foram 34 em 2016, contra 27 em 2015 e em 2014, também no comparativo do mesmo período. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário